Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Precisamos parar de chamar as pessoas de 'bandido' - Por Pedro Magalhães Ganem

goo.gl/yaTVGm | Bandido, ladrão, assaltante, infrator, traficante, criminoso, delinquente, …

Quantas são as formas de rotular uma pessoa que pratica um ato considerado criminoso?

Em todos os lugares, desde que não se trate de pessoa com boas condições sociais, a notícia da prática de uma infração penal é lançada como: “Assaltante é preso”, “Traficante é morto a tiros”, “Bandido bom é bandido morto” e por aí vai.

Dentre os vários pontos em que necessitamos melhorar (no que se refere ao direito penal), está o fim da estigmatização de uma pessoa por praticar (e ser flagrado praticando) uma conduta contrária à lei.

Muitas vezes aquela é a primeira infração. Muitas vezes nem é “bandido”. Pode ter sido apenas a ocasião. Vai saber o que aconteceu na vida da pessoa para que ela fizesse o que fez.

Mas, não! É bandido, ladrão, safado, vagabundo, …

Já parou para pensar que a partir do momento em que rotulamos uma pessoa por praticar um crime (bandido, ladrão, traficante, assassino, …), transformando-a em algo que muitas vezes ela não é, estamos influenciando diretamente na transformação dela naquilo que afirmamos que ela é?

E esse rótulo a acompanha por um longo período. Em vários lugares e momentos ela será lembrado de que é “bandido”. A impossibilidade de tirar Certidão Negativa e conseguir emprego formal que o diga.

Por isso, estudos da criminologia moderna, incluindo aqueles voltados para a psicologia, apontam para a necessidade de pôr fim a esse rótulo, a essa estigmatização.

Quando rotulamos as pessoas, afastamos delas as suas naturais e indispensáveis condições que as tornam humanas, tanto no nosso trato para com elas, assim como no trato delas para com a gente e para com elas mesmas.

Depois de tanto ser chamada de “bandido” a pessoa realmente assume essa condição. Se todos dizem deve ser pelo fato de que realmente é.

Será que ainda falta muito para percebermos que não se trata de “nós x ‘eles’”, mas de nós e nós mesmos?!

Ainda dentro desse estudo da criminologia, surge a necessidade da sociedade se enxergar dentro dos presídios e daqueles que se encontram dentro dos presídios se enxergarem dentro da sociedade.

Não há divisão. No máximo, existem condições momentâneas que impedem a livre convivência, mas não divisão.

Todos que estão dentro dos presídios, independente das histórias individuais que os levaram a estar onde estão, são integrantes da sociedade em que vivemos, são, acima de tudo, humanos e dignos dos mesmos direitos fundamentais destinados a nós, que não estamos lá dentro…

… Mas podemos estar.

Uma direção sob efeito de álcool ou outra substância que cause dependência; um momento de perda de controle emocional; ou uma pensão alimentícia não paga é o suficiente para fazer com que você, “pessoa de bem”, se torne um “bandido”.

Como disse, basta uma ação e podemos nos transformar no “outro”, podemos parar lá dentro do local onde queremos esconder até a morte os “bandidos”.

Só que com você não é “bandido”, né?!

E esse é justamente o ponto em que precisamos chegar, não existe divisão, “nós x eles”, “pessoas de bem x criminosos”. Somos todos seres humanos integrantes de uma mesma sociedade. Ou evoluímos juntos ou ficamos como estamos, mergulhados em violência.

Um grande abraço a todas as pessoas que leem e até a próxima semana!

Por Pedro Magalhães Ganem
Fonte: Canal Ciências Criminais

10 comentários :

  1. Fiquei curioso, se não posso rotular de bandido, devo identificá-lo como? Serumaninho? Coitado? Vítima?pessoa de bem ...
    Ao
    Menos ia ficar engraçado a reportagem!
    (A vítima da sociedade rouba a cidadão opressor) kkkk cada coisa idiota

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo plenamente, Marcus.
      Essa reportagem denota uma clara inversão de valores sociais, em que o repugnante é louvado, e a vítima é reificada.
      Não, nós que somos cidadãos honestos não devemos ser comparados a esses subversivos, criminosos e depravados.
      "A base da sociedade é a justiça." Aristóteles

      Excluir
    2. Kkkkk
      Marcus, você não merece somente Palmas, e sim o Tocantins inteiro 😂😂😂😂😂
      Eu li superficial e rapidamente, e não identifiquei nenhuma sugestão de como seria menos ofensivo chamar os vagabun... Aliás, os band... Melhor dizendo, os canalh... Eita...kkk os afilhados da Mª do Rosário e sobrinhos do Jean Wyllys 😂😂😂😂😂😂
      Esse colóquio flácido para ninar bovinos (conversa mole pra boi dormir) é justamente a base para a vitimiza, vulgo "mimimi", dessa cambada de ordinários que, sim é de fato, fazem a sociedade de bem de vítima das BANDIDAGENS deles!
      Com todo respeito à liberdade de expressão do cidadão que escreveu esse texto, mas já pode fechar o saco e jogar fora.

      Excluir
  2. Ah, vá... É bandido mesmo, nem precisava de textão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Kkkkk
      Sintetizou! 👏👏👏👏👏👏😂😂😂😂😂😂

      Excluir
    2. Então vc que vive chamando seu amigo de "gay" cuidado, vc pode estar influenciando para que ele se torne realmente um. Kkk

      Excluir
  3. O que foi escrito pelo autor realmente tem fundamento. Mas se o cara é bandido vai ser chamado de bandido, se é feio será chamado de feio, rico será chamado de rico. Qual o problema em adjetivar....Mimimi

    ResponderExcluir
  4. Se um bandido não quer ser rotulado como tal, é só não assassinar, roubar, estuprar... Se acha tão ruim essa separação "bandido X cidadão de bem", é só ir pra prisão e viver juntinho dessas "vítimas da sociedade", ou abrigar um bandido em sua casa. Bandido tem que estar separado do resto da sociedade sim, e de preferência por sete palmos de terra.

    ResponderExcluir
  5. Esses engenheiros sociais sempre querendo pautar o que devemos ou não devemos fazer! Tudo tem nome! A linguagem está aí para identificar coisas, atos, fatos fantasias, pessoas e tudo que existe de fato ou abstratamente. Homem é homem, menino é menino, macaco é macaco e viado é viado... político é político e baitola é baitola! (Falcão).

    ResponderExcluir
  6. é por causa disso que desisti da carreira juridica.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!