Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Excelentes dicas para você escrever um bom texto dissertativo-argumentativo (confira e compartilhe)

goo.gl/ZI1SGw | Sabendo que uma das maiores preocupações dos estudantes é a redação, a Universia Brasil criou um manual para ajudar os estudantes a redigir um bom texto dissertativo-argumentativo. Mas, afinal, o que é isso?

Definição

Em linhas gerais, esta é uma redação opinativa, ou seja, o autor tenta convencer o leitor sobre seu ponto de vista diante de determinado assunto expondo algumas explicações e argumentos ao longo do texto para demonstrar que seu raciocínio tem coerência.

Na maioria das vezes, este texto é formado por quatro ou cinco parágrafos, dos quais dois ou três dedicam-se exclusivamente à argumentação, enquanto o primeiro e o último à introdução e conclusão, respectivamente. Veja como escrevê-los a seguir:

Introdução

O primeiro parágrafo deve envolver o leitor, despertar curiosidade para que ele leia o texto inteiro. Por isso, você deve utilizar maneiras criativas de transmitir as informações necessárias para situar seu leitor do tópico que sua redação tratará. Uma maneira de fazer isto é usar citações de personalidades relevantes, porque assim você demonstra conhecimento prévio sobre o assunto e traz legitimidade ao seu ponto de vista. Contudo, tenha cuidado: a citação é apenas um artifício e não deve ocupar todo o seu parágrafo.

“Toda vez que você vai trabalhar um texto de caráter informativo, como o dissertativo-argumentativo, a primeira coisa que se tem a fazer é mostrar sobre o que vamos falar. A partir disso, o aluno pode pegar um gancho e apresentar sua tese” explica a professora Andrea Lanzara, do Cursinho da Poli, em São Paulo. Além disso, é importante que sua introdução não faça muitos rodeios, para que sua tese fique clara desde o início. Seja objetivo também quando for contextualizá-la, explicando os motivos para que aquele seja um problema de relevância nacional. Você pode fazer isso seguindo o que os jornalistas chamam de lead, isto é, responda de cara as perguntas: “O que? Quando? Como? Onde? Por quê?”

Argumentação

É neste momento que você desenvolve sua tese, ou seja, apresenta fatos consistentes que corroboram seu ponto de vista. No entanto, não acredite no mito “quanto mais informações, melhor”. A verdade é que, para um bom desempenho, o candidato deve saber identificar quais são seus argumentos mais fortes e explorá-los, de maneira que estes promovam uma reflexão no leitor. Selecione os dados a serem adicionados no seu texto seguindo o que a professora sugere: “trabalhe com informações que tenham íntima relação com o tema e que estejam ao mesmo tempo justificando o ponto de vista desse aluno.”

Lembre-se que os parágrafos não são meras partes do texto, sem ligação alguma. Na verdade, é exatamente o oposto. Seus parágrafos, mais do que destrinchar o tema, devem funcionar como uma introdução do seguinte. Portanto, demonstre a conexão entre eles até para se certificar de que seu raciocínio ficará evidente para o seu leitor e de que há uma sequência lógica na sua redação.

Para a professora Andrea, a argumentação pode ser desenvolvida de várias maneiras desde que o raciocínio dedutivo do candidato fique claro ao leitor: “o importante é que ele desenvolva o raciocínio clássico do tipo dissertativo-argumentativo, isto é, que ele apresente a tese na introdução e no desenvolvimento, a argumentação.”

Conclusão

Geralmente, o último parágrafo apresenta um resumo dos pontos desenvolvidos na sua dissertação, como uma espécie de retrospectiva, apresentando os motivos de por que esses argumentos foram vitais no seu texto. Essa é a alternativa mais utilizada, pois dá a impressão de que a redação está completa, além garantir que o leitor tenha compreendido sua tese.

A proposta de redação costuma apresentar um problema para o estudante. Por isso, não se esqueça de que, na sua conclusão, você deve obrigatoriamente sugerir soluções viáveis para resolvê-lo. E lembre-se da dica da professora Andrea Lanzara: “na hora de concluir, o aluno não pode se esquecer da proposta de intervenção social, que respeite os direitos humanos, porque desrespeito a esses direitos anula a proposta de redação”.

Fonte: noticias universia