Advogado que acusou desembargador de pedir propina de R$ 700 mil presta depoimento

4 comentários
goo.gl/5SHfJw | O advogado Felisberto Odilón Córdova prestou depoimento no Tribunal de Justiça de Santa Catarina no processo em que acusa o desembargador Eduardo Gallo de pedir propina de R$ 700 mil.

Segundo informou o TJ catarinense, trata-se de um procedimento preliminar para apurar as acusações e outras testemunhas ainda serão ouvidas. Uma decisão sobre o caso caberá ao Tribunal Pleno do TJ.

As acusações do advogado ao magistrado foram feitas no início de agosto, durante uma audiência de julgamento que foi gravada por um celular. As imagens foram divulgadas e viralizaram na internet,

“Isso aqui não é o Senado, isso aqui não é a Câmara dos Deputados, isso aqui é um tribunal de Justiça. E é preciso que a moralidade surja e que venha a tempo, e que a promotoria, inclusive, assuma a investigação desse processo”, afirmou o advogado, que ainda chamou o desembargador de “descarado”.

O advogado acusou o desembargador de ter recebido R$ 500 mil para dar uma decisão favorável à parte interessada. Córdoba disse que seu escritório recebeu uma “contraproposta” para cobrir a oferta com R$ 700 mil.



“Tudo está sendo nulo aqui”, disse exaltado. O processo em questão envolve uma disputa de R$ 35 milhões.  Chamado de “safado” e “vagabundo”, o desembargador Eduardo Gallo disse que estava havendo “nítido excesso” e pediu a prisão do advogado.

“Não vou admitir que um advogado me chame de vagabundo e vossa excelência não tome providência, nunca passei por isso em 25 anos de magistratura. Eu requeiro a prisão do advogado”, disse, enquanto Felisberto Córdova era retirado da sala por colegas.

Por Isabella Souto
Fonte: www.em.com.br

4 comentários

  1. A "inviolabilidade do domicilio" agora garante a traficancia e varios outros crimes. Que pais lixo. Se o policial souber que determinada casa constitui deposito de drogas ou local de venda nao mais podera dar o flagrante do crime sob pena de infringir garantia constitucional???? É isso Arnaldo? Entao que liberem a venda de drogas de uma vez. Daqui a pouco não se vai poder mais nem se abordar cidadão suspeito na rua sob pena de constrangimento caso o mesmo nao esteja com nada em mãos. Ainda bem que vou me embora para Austrália. Sinto pena de quem fica

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não é bem assim. Pode sim invadir na certeza do tráfico. Porém, se a conduta não for comprovada, o policial pode vir a ser punido em processo disciplinar por violar a intimidade conforme exposto nas garantias do Art. 5.

      Excluir
  2. Todo mundo acha que é só mudar de país que a vida melhora,as vezes é verdade,ms o mundo todo esta virando uma coisa impressionante uma decadencia,o ma maior do Brasil é a corrupção e desigualdade de direitos entre funcionalismo e outros empregados isto é um câncer.

    ResponderExcluir
  3. Deve ser verdade. O judiciário é quase tão corrupto quanto os outros poderes.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!