Notícias

:: NOTÍCIAS MAIS NOTÍCIAS

Curiosidades

:: CURIOSIDADES MAIS CURIOSIDADES

Dicas

:: DICAS MAIS DICAS

Artigos

:: ARTIGOS MAIS ARTIGOS

Com seis ministros impedidos, STF não tem quórum para julgar Recurso Extraordinário

goo.gl/fbzw7c | Em um Recurso Extraordinário com repercussão geral reconhecida, o Supremo Tribunal Federal terá que decidir se servidores federais têm direito às diferenças relacionadas ao reajuste de 47,11% sobre a parcela denominada adiantamento do PCCS (pecúnia) após a mudança do regime celetista para o estatutário. Acontece que o STF não sabe como vai julgar a matéria, uma vez que seis ministros da corte se declararam impedidos para analisar o caso, inviabilizando a formação do quórum mínimo do Plenário estabelecido pelo Regimento Interno da corte.

A declaração de impedimento dos magistrados foi registrada no andamento processual do Supremo nesta segunda-feira (2/10). O relator da ação, ministro Marco Aurélio, ainda não sabe qual solução a corte dará para a situação, mas afirma só ter uma certeza: “O jurisdicionado não pode ficar sem jurisdição”.

O advogado Eduardo Mendonça, doutor em Direito Público e professor de Direito Constitucional do UniCeub, lembra que não há precedentes que se adequem exatamente a esse caso, pois o Regimento Interno da corte foi alterado e deixou de prever a convocação de ministros do Superior Tribunal de Justiça para esses casos.

A comparação que ele faz é com o julgamento dos recursos do ex-presidente da República Fernando Collor de Mello contra os efeitos do impeachment que o tirou do poder. O hoje senador entrou, à época, no Supremo para restabelecer seus direitos políticos e três ministros do STF se declararam impedidos de analisar o caso. Restaram oito e, como placar ficou em 4 a 4, três ministros do STJ foram convocados para desempatar o julgamento, que aconteceu em 1993 e acabou confirmando a cassação dos direitos políticos do réu.

O recurso que a corte encara agora foi interposto pela União contra acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que julgou procedente o pagamento das diferenças após a transposição de servidores para o Regime Jurídico Único. A Justiça do Trabalho garantiu direito ao reajuste de 47,11% sobre parcela denominada adiantamento do PCCS, prevista no artigo 1º da Lei 7.686/1988, limitando sua execução à data em que o regime jurídico dos beneficiários passou de trabalhista para estatutário.

Ao examinar a questão, o TRF-4 entendeu que, em razão da Lei 8.460/1992, o direito às diferenças cessa com a incorporação do abono aos vencimentos dos servidores. Entretanto, para evitar redução salarial, admitiu o pagamento aos servidores de eventual parcela que exceda o valor previsto nas novas tabelas, a título de vantagem pessoal, até que seja absorvida por reajustes posteriores (exceto reajustes gerais para reposição inflacionária).

A União recorreu, argumentando que é necessário reformar o acórdão para que a Justiça Federal examine o mérito da questão, de forma independente, sem se submeter aos limites da decisão proferida pela Justiça do Trabalho, baseada nas normas da CLT.

Em votação no Plenário Virtual, a corte reconheceu a repercussão geral da matéria. Os ministros Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso, Edson Fachin e a presidente da corte, Cármen Lúcia, no entanto, declararam-se impedidos de julgar o caso.

RE 1.023.750

Por Matheus Teixeira
Fonte: Conjur

3 comentários :

  1. Fato atípico... Eu interpreto como um indicador de que já está mais do que na hora de alterar a forma de ingresso no STF para Concurso público de provas, títulos e sabatina no Senado Federal.
    Eu acho imoral a indicação dos Ministros de uma corte superior, o que, nas mais sensatas interpretações, favorece o APARELHAMENTO.

    ResponderExcluir
  2. Olá amigos, meu nome é Camila Rodela e eu sou de Michigan, Estados Unidos. Estou aqui para testemunhar as boas obras de DR.OGAGA ​​KUNTA em minha vida. Meu marido e eu casamos há 27 anos com dois filhos. Dois anos atrás, tudo acabou. Eu queria meu marido de volta e eu o implorei, mas ele nunca ouviu, então, eu encontrei vários depoimentos sobre esse lançador de feitiços em particular. Algumas pessoas testemunharam que ele trouxe seu amante Ex de volta, alguns testemunharam que ele restaura o útero e cura câncer, e outras doenças, alguns testemunharam que ele pode lançar um feitiço para parar o divórcio e também soletrar para obter um trabalho bem remunerado assim por diante. Ele é incrível, eu também encontrei um testemunho particular, era sobre uma mulher chamada Vera, ela testemunhou sobre como ele trouxe de volta seu amante Ex, e no final de seu depoimento ela deixou seu email. Depois de ler tudo isso, eu decidi para tentar. Entrei em contato com ele por e-mail e expliquei meu problema para ele. E ele me disse o que eu preciso fazer, eu fiz e meu marido voltou para mim. Nós resolvemos nossos problemas, e nós ficamos ainda mais felizes do que nunca. DRAGOGA KUNTA você é um homem dotado e não vou parar de publicá-lo porque ele é um homem maravilhoso. Se você tem algum problema e está à procura de um verdadeiro e genuíno conjurador de feitiços, experimente-o a qualquer momento, ele é a resposta para seus problemas. Você pode contatá-lo por e-mail: ogagakunta@gmail.com e resolver seus problemas como eu. Ele pode resolver os seguintes problemas e muito mais.(1) SE VOCÊ QUER O SEU EX-BACK(2) VOCÊ QUER CONVIVER SEU MARIDO PARA PARAR O DIVÓRCIO (3) VOCÊ QUER SER PROMOVIDO NO SEU ESCRITÓRIO(4) VOCÊ QUER HOMENS E MULHERES PARA FUNCIONAR ENCONTRAM VOCÊ ATRATIVO(5) SE VOCE QUER CONCEITAR UMA CRIANÇA(6) VOCÊ QUER SER RIC (7) VOCÊ QUER QUE SEU MARIDO AMAR SEU SÓ PARA O DESCANSO DE SUA VIDA
    (8) VOCÊ PRECISA BOM SORTE(9) VOCÊ PRECISA DE UM SALVO DE LOTERIA(10) VOCÊ PRECISA UM TRABALHO ogagakunta@gmail.com

    ResponderExcluir
  3. É SÓ NOMEAR OS MINISTROS DO STJ PARA JULGAR.

    ResponderExcluir

Agradecemos pelo seu comentário!