Cortar o cabelo do preso é realmente um ato legal? (Ótimo Artigo) de Liberato Póvoa

Nenhum comentário
goo.gl/2e4uR3 | Já se tor­nou co­mum, per­fei­ta­men­te in­se­ri­do no dia a dia car­ce­rá­rio o fa­to de os pre­sos apa­re­ce­rem de ca­be­los cor­ta­dos, co­mo se fos­se uma pe­na aces­só­ria an­te­ci­pa­da pa­ra tra­zer mais um ver­niz de hu­mi­lha­ção ou mes­mo que­brar as re­sis­tên­cias dos mais em­per­ti­ga­dos,  mos­tran­do que ali eles es­tão por bai­xo.

Já se tor­nou tão co­mum pas­sa­rem a te­sou­ra nas bem cu­i­da­das ca­be­lei­ras de per­so­na­li­da­des, que hou­ve quem se in­sur­gis­se con­tra es­sa me­di­da, co­mo o ex-de­pu­ta­do Ro­dri­go Ro­cha Lou­res, o mais fa­mo­so car­re­ga­dor de ma­la, que pe­diu ao STF pa­ra não ter a ca­be­ça ras­pa­da, co­mo foi fei­to com to­dos os ou­tros que o pre­ce­de­ram, sen­do mui­to dis­cu­ti­do e até le­va­do às rai­as da cha­co­ta a to­sa so­fri­da pe­lo em­pre­sá­rio Eike Ba­tis­ta, de­pois de ter gas­to uma no­ta num pre­ci­o­so im­plan­te ca­pi­lar no ex­te­ri­or.

É evi­den­te que no cor­re-cor­re de ope­ra­ções, co­mo a no­tó­ria La­va Ja­to, ocor­rem ine­vi­tá­veis ar­bi­tra­ri­e­da­des, com con­du­ções co­er­ci­ti­vas, uso dis­pen­sá­vel de al­ge­mas, e ou­tras, ora co­me­ti­das pe­la au­to­ri­da­de po­li­ci­al, ora pe­lo pró­prio Ju­di­ci­á­rio, co­mo se es­ti­ves­sem ali pa­ra res­pon­der aos an­sei­os do po­vo, dan­do-lhe a res­pos­ta que a so­ci­e­da­de quer ou­vir, dei­xan­do de ban­da a pre­cí­pua fun­ção de tais ór­gã­os.

Li es­tes di­as in­te­res­san­te ar­ti­go “Ras­par o ca­be­lo dos pre­sos é ile­gal”, do ad­vo­ga­do Plá­ci­do Fa­ria, pu­bli­ca­do no “In­for­me Ba­i­a­no” do úl­ti­mo dia 10 de ju­lho de 2016, em que, co­ber­to de ra­zão, cri­ti­ca a ba­na­li­za­ção das pri­sões, mos­tran­do, por exem­plo, que “a pri­são do Eike Ba­tis­ta com­pro­vou que vi­ve­mos no pa­ís da cha­co­ta, on­de as­sun­tos sé­rios são tra­ta­dos à ba­se de brin­ca­dei­ra. A so­ci­e­da­de, em sua gran­de mai­o­ria, es­ta­va mais pre­o­cu­pa­da com a fa­mo­sa ca­be­lei­ra do Sr. Ba­tis­ta do que com os mo­ti­vos que le­va­ram à sua pri­são. Eike vi­rou “me­me de in­ter­net”, ten­do sua ima­gem bas­tan­te di­vul­ga­da nas re­des so­ci­ais, on­de o que era pra ser uma ques­tão ju­rí­di­ca, pas­sou a ser uma ques­tão de hu­mor. Não era ne­ces­sá­rio de­ba­ter os mo­ti­vos que le­va­ram à pri­são do Em­pre­sá­rio, tam­pou­co, se a pri­são era le­gal, o que im­por­ta­va era a de­gra­da­ção da sua ima­gem, com pia­di­nhas de lo­jas de pe­ru­cas, com com­pa­ra­ções a co­me­dian­tes ca­re­cas, tal co­mo Amim Kha­der, as­sim co­mo com pia­das so­bre o fa­to de o mes­mo não pos­su­ir ní­vel su­pe­ri­or, atri­buin­do a ras­pa­gem de seus ca­be­los ao fa­to de o mes­mo ter si­do apro­va­do no ves­ti­bu­lar pa­ra in­gres­so no pre­sí­dio”.

Pa­re­ce que a pre­o­cu­pa­ção da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra não é com o Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to, tam­pou­co com as pri­sões ile­gais, mas, sim, em ver que ca­deia não é fei­ta ape­nas pa­ra po­bres la­drões de ga­li­nha, mas tam­bém pa­ra po­de­ro­sos, que po­dem, sim, ser pre­sos e hu­mi­lha­dos, on­de seus di­rei­tos à dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na não só eram es­que­ci­dos, mas, prin­ci­pal­men­te, cer­ce­a­dos.

Ago­ra no iní­cio des­te mês de ju­lho, fo­mos no­ti­ci­a­dos so­bre a pri­são do ex-mi­nis­tro Ged­del Vi­ei­ra Li­ma, e não foi sur­pre­sa vir a lu­me su­as fal­ca­tru­as, su­as fa­zen­das, de­nun­ci­a­das no “Fan­tás­ti­co”  e sua in­sa­ci­á­vel fo­me de pro­pi­na, mas o as­sun­to mais co­men­ta­do, tan­to pe­la mí­dia, quan­to pe­la so­ci­e­da­de, não foi a cau­sa da pri­são em si, mas o seu cho­ro, a sua tris­te­za e o seu in­con­for­mis­mo quan­do su­bi­ta­men­te se viu ca­re­qui­nha. E a cal­ví­cie fa­bri­ca­da na pri­são trans­for­mou-se no sím­bo­lo da ig­no­mí­nia.

Ve­ja­mos on­de o cor­te com­pul­só­rio do ca­be­lo fe­re a dig­ni­da­de hu­ma­na. O ar­ti­go 5°, in­ci­so III, da Cons­ti­tu­i­ção es­ta­be­le­ce que “nin­guém se­rá sub­me­ti­do a tra­ta­men­to de­su­ma­no ou de­gra­dan­te”. E o art. 129 do Có­di­go Pe­nal é ta­xa­ti­vo ao di­zer que ofen­der a in­te­gri­da­de cor­po­ral ou sa­ú­de de ou­trem, é cri­me, com pe­na mí­ni­ma de de­ten­ção de três mes­es a um ano, po­den­do, a de­pen­der da ofen­sa, che­gar a pe­na de re­clu­são, de dois a oi­to anos.

Acon­te­ce que o vul­go só con­si­de­ra avil­tan­te aqui­lo que traz dor, co­mo a tor­tu­ra e os maus tra­tos. E o cor­te de ca­be­lo não traz qual­quer so­fri­men­to fí­si­co, co­mo o cor­tar as unhas, so­an­do al­go co­mum quan­do se tra­ta de um jo­ão-nin­guém qual­quer.

Sen­do o ca­be­lo con­si­de­ra­do par­te do cor­po de uma pes­soa, e vez que nin­guém se­rá sub­me­ti­do a tra­ta­men­to de­gra­dan­te, ras­par o ca­be­lo dos pre­sos com­pul­so­ria­men­te é, sem dú­vi­da, ile­gal, pois, de­pen­den­do da po­si­ção so­ci­al do pre­so, aqui­lo fi­ca in­cul­ca­do na ofen­sa à sua dig­ni­da­de. É prá­ti­ca pri­mi­ti­va, me­di­e­val e de de­gra­da­ção da pes­soa hu­ma­na.

Os de­fen­so­res des­ta prá­ti­ca, ar­ri­mam-se na Por­ta­ria nº 1.191/2008, do Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, que dis­ci­pli­na os pro­ce­di­men­tos ad­mi­nis­tra­ti­vos a se­rem efe­ti­va­dos du­ran­te a in­clu­são de pre­sos nas pe­ni­ten­ci­á­rias fe­de­ra­is, e au­to­ri­za o Che­fe da Di­vi­são de Se­gu­ran­ça e Dis­ci­pli­na a re­a­li­zar o pro­ces­so de hi­gi­e­ni­za­ção pes­so­al, in­clu­in­do: a) cor­tar ca­be­lo, uti­li­zan­do-se co­mo pa­drão o pen­te nú­me­ro “2” (dois) da má­qui­na de cor­te; b) ras­par bar­ba e c) apa­rar bi­go­des (in­ci­so VI­II do art. 2º).

O Es­ta­do e seus agen­tes vêm va­len­do-se des­ta por­ta­ria ile­gal, que sur­ge aci­ma da Cons­ti­tu­i­ção, co­mo for­ma de su­pri­mir a in­di­vi­dua­li­da­de da pes­soa, e que não faz o me­nor sen­ti­do: além de de­gra­dar o ser hu­ma­no, é um ri­tu­al de en­tra­da na ca­deia, co­mo uma for­ma de pa­dro­ni­zar as pes­so­as, trans­for­má-las em “igua­is”, sob uma jus­ti­fi­ca­ti­va pí­fia, en­co­ber­ta pe­la ilu­são da dis­ci­pli­na e da or­dem. O cor­te com­pul­só­rio de ca­be­los era jus­ti­fi­cá­vel nas Ida­des Mé­dia e Mo­der­na, quan­do a in­fes­ta­ção de pi­o­lhos era co­mum nas pri­sões.

E com­ple­men­ta o ar­ti­cu­lis­ta Plá­ci­do Fa­ria: “Cor­tar os ca­be­los e/ou ras­par as bar­bas dos pre­sos não é uma ques­tão de hi­gi­e­ni­za­ção, fe­re a dig­ni­da­de da pes­soa hu­ma­na, bem co­mo Prin­cí­pio Cons­ti­tu­ci­o­nal da Iso­no­mia, que ver­sa, em sín­te­se, que to­dos são igua­is pe­ran­te a lei, po­rém, é de co­nhe­ci­men­to ge­ral que as de­ten­tas não tem os seus ca­be­los ras­pa­dos. Ora, se é uma ques­tão de hi­gi­e­ni­za­ção pes­so­al, por qual ra­zão não são os pe­los pu­bia­nos de­vi­da­men­te apa­ra­dos? Por que não pro­vi­den­ci­am um tra­ta­men­to bu­cal? A res­pos­ta é sim­ples: pois não se tra­ta de uma ques­tão de hi­gi­e­ni­za­ção, mas, sim, de mos­trar que aos pre­sos que pa­ra o Es­ta­do eles não pos­su­em qua­is­quer di­rei­tos à dig­ni­da­de”.

Quan­to à ques­tão de pa­dro­ni­za­ção, que al­guns de­fen­so­res des­ta ar­bi­tra­ri­e­da­de afir­mam se­rem mo­ti­vos su­fi­ci­en­tes pa­ra per­mi­tir es­ta prá­ti­ca ile­gal, tam­bém não me­re­ce pros­pe­rar, bas­ta lem­brar­mos que uma das prin­ci­pa­is for­mas de des­cre­ver uma pes­soa é pe­lo seu ca­be­lo e pe­lo seu por­te fí­si­co; lo­go, não se tra­ta de pa­dro­ni­za­ção. As rou­pas dos de­ten­tos têm es­sa fun­ção, e qual­quer coi­sa além dis­to, fei­ta de for­ma com­pul­só­ria, não só é ina­cei­tá­vel, co­mo tam­bém ile­gal.

Ou­tros­sim, não se po­de ol­vi­dar que a De­cla­ra­ção Uni­ver­sal dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, Tra­ta­do In­ter­na­ci­o­nal do qual o Bra­sil é sig­na­tá­rio, em seu art. 5° diz que “Nin­guém se­rá sub­me­ti­do a tor­tu­ra nem a pe­nas ou tra­ta­men­tos cru­éis, de­su­ma­nos ou de­gra­dan­tes”.

E o cor­te obri­ga­tó­rio do ca­be­lo do pre­so, ao mar­cá-lo co­mo ban­di­do, dis­pen­sa di­zer que é um tra­ta­men­to de­gra­dan­te.

Por Liberato Póvoa
Fonte: www.dm.com.br

Nenhum comentário

Postar um comentário

Agradecemos pelo seu comentário!