Notícias

Curiosidades

Dicas

Artigos

Matou 49 mulheres e lamenta apenas não ter conseguido chegar às 50 vítimas

goo.gl/i6Xpnh | O mais infame assassino em série foi condenado a prisão perpétua pela morte de seis prostitutas, em 2007. Robert Pickton foi ainda acusado da morte de mais 20 mulheres, mas não chegou a ser julgado.

Mas os números são ainda mais horríficos. Na prisão, confessou a um polícia infiltrado, que matou 49 mulheres, mas tinha um lamento. "Queria mais uma, completar o grande 5-0", disse.

"Apanharam-me porque fui estupidamente desleixado. Ia matar mais uma, completar um número redondo, o 50", disse Pickton ao colega de cela, um polícia infiltrado na cadeia, segundo um documentário exibido pela televisão CBS.

A história foi também contada num livro, editado em 2016. Voltou agora à agenda mediática com o documentário televisivo, forçando os canadianos a recordar os mais prolífico e infame assassino em série da história conhecida daquele país da América do Norte.

Robert Pickton matou, confessadamente, quase cinco dezenas de mulheres, entre prostitutas e toxicodependentes, na região de Vancouver, no leste do Canadá.

Proprietário de uma pecuária, Pickton desmembrava os corpos das vítimas, tendo vendido restos humanos a várias pessoas, incluindo um policial. O que não vendia era desfeito numa picadora.

As vítimas faziam parte de um grupo de cerca de 60 mulheres que desapareceram de uma zona pobre e infestada de droga na baixa de Vancouver, durante mais de uma década, até à detenção de Pickton, em 2002.

Centenas de investigadores, incluindo antropologistas, passaram meses a revolver o solo e os edifícios na quinta de Pickton, nos arredores de Vancouver, onde encontraram restos humanos de seis mulheres. Condenado a perpétua por estas mortes, foi poupado a novo julgamento, apesar de acusado de matar outras 20.

"A Procuradoria concluiu que não era no melhor interesse do povo prosseguir com o julgamento das 20 acusações pendentes", argumentou a Coroa, num comunicado após a condenação de Pickton.

Com esta decisão, ficaram na gaveta todas as suspeitas e pistas relacionadas com outros crimes, incluindo um cometido em 1997, que lhe valeu uma acusação de tentativa de homicídio, mas que nunca chegou a ir a julgamento.

Uma mulher contou às autoridades que Pickton a algemou e tentou matar, com os dois a envolverem-se numa luta com facas, que os levou a ambos ao hospital. A mulher, que não foi identificada, disse que fugiu nua e ensanguentada.

Fonte: www.jn.pt

Nenhum comentário :

Agradecemos pelo seu comentário!